CIDESI

CIDESI

Centro de Investigação e Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem

O Centro de Investigação Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem do Porto – Portugal (CIDESI-ESEP) é um dos 14 centros mundiais acreditados pelo ICN – International Council of Nurses.

Neste separador encontrará informação sobre este Centro, bem como outras informações de interesse na área dos sistemas de informação em Enfermagem.

Missão

Melhorar a qualidade do ensino e dos cuidados em Enfermagem, através da investigação e do desenvolvimento de Sistemas de Informação em Enfermagem (SIE) e o suporte ao desenvolvimento da CIPE®, em colaboração com o Conselho Internacional de Enfermeiros (ICN).

O CIDESI-ESEP opera dentro da missão e objetivos da Escola Superior de Enfermagem do Porto (ESEP), em cooperação direta com a Ordem dos Enfermeiros (OE) e o Conselho Internacional de Enfermeiros (ICN).

Há mais de 20 anos que estamos comprometidos com a pesquisa e desenvolvimento de Sistemas de Informação de Enfermagem (SIE) em Portugal, direcionados para a formação e para a prática profissional de Enfermagem.

A nossa finalidade é melhorar a qualidade do ensino e dos cuidados de enfermagem, através da pesquisa e desenvolvimento de SIE e do apoio ao desenvolvimento da CIPE©.

Este centro está localizado na Escola de Enfermagem do Porto e inclui 14 professores (todos enfermeiros com diferentes especializações e a maioria com doutoramento em enfermagem) e dois engenheiros. Inclui ainda oito estudantes de doutoramento em enfermagem, que estão a desenvolver seus projetos alocados ao centro.

O CIDESI-ESEP colabora diretamente com outros centros creditados pelo ICN e diferentes organizações internacionais de Enfermagem (nomeadamente de países como a Noruega, Itália, Irlanda, Polónia, Turquia, Austrália).

Nos últimos anos, e após analisar os dados nacionais disponíveis a partir da utilização do SClinico™, realizados diariamente por mais de 90% dos enfermeiros portugueses, o CIDESI-ESEP evoluiu para o desenvolvimento de uma ontologia de enfermagem portuguesa (NursingOntos©), desenvolvida em colaboração com a Ordem dos Enfermeiros, com o objetivo de representar o conhecimento de enfermagem numa ontologia multilíngue, na qual são especificados os conceitos (dados, diagnósticos e intervenções) e as relações entre estes.

Também desenvolvemos uma plataforma on-line para a conceção de cuidados (e4nursing© – com base na estrutura e no conteúdo da NursingOntos©) a implementar em todos os cursos de enfermagem da ESEP.

Projetos

Até este momento, descrevemos o sistema de informação de enfermagem em uso na prática de enfermagem em hospital, nos cuidados primários de saúde e a estrutura do sistema para continuidade de cuidados.

Estamos a trabalhar com os enfermeiros na definição das principais componentes da documentação de enfermagem, no sentido de definir o modelo de dados da documentação em Enfermagem que incorpore o registo de saúde eletrónico.

Até este momento, descrevemos o modelo de cuidados de enfermagem em uso e identificamos, com os enfermeiros, as principais componentes da documentação de enfermagem, em termos de diagnóstico, intervenções e resultados de enfermagem sensíveis para alcançar o objetivo central: desenvolver um modelo sustentado nas principais áreas de enfermagem.

Estamos com enfermeiros através da reflexão na ação, a desenvolver e implementar o uso da CIPE ® v2.0 na prática da enfermagem, descrevendo o significado de cada termo para a prática de enfermagem.

Em janeiro iremos iniciar a integração da CIPE ® v2.0 como a linguagem classificada na documentação de enfermagem, desenvolvendo diagnósticos, intervenções e resultados de enfermagem.

Utilização de e-learning como um recurso para a disseminação e utilização da CIPE® v2.0, para: estudantes de pré e pós-graduação em Enfermagem de países de Língua Oficial Portuguesa; enfermeiros de países de Língua Oficial Portuguesa.

Objetivo 3A: Desenvolver estratégias de e-learning em Enfermagem

Atividades:

  • Definir os recursos técnicos necessários para a disponibilização de conteúdo por e-learning;
  • Definir estratégias de divulgação, implementação e avaliação de e-learning;
  • Definir os recursos e-learning necessários para o apoio de catálogos.

Objetivo 3B: Promover a disseminação da CIPE® v2.0 nos países de língua oficial Portuguesa, usando plataformas de e-learning

Atividades:

  • Delinear e-learning como um recurso para a formação contínua de enfermeiros;
  • Providenciar recursos de e-learning para implementação na prática clínica;
  • Promover o uso de e-learning em cooperação com os países de língua oficial Portuguesa.

Prazo: 4 anos (2010-2014)

Responsáveis:

Miguel Padilha (miguelpadilha@esenf.pt)

Paulino de Sousa (paulino@esenf.pt)

Filipe Pereira (filipereira@esenf.pt)

Parceria: Acordo estabelecido entre a ESEP e o Ministério Português da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior para o período 2010-2014, que contempla o desenvolvimento de estratégias de e-learning.


Recursos para pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC)

Até este momento, definimos suporta tecnológicos e recursos didáticos para os pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC).

Foi desenvolvido um estudo transversal exploratório-descritivo, utilizando um questionário. Os principais resultados mostram que os doentes reportam mais perguntas sobre as atividades da vida diária e sobre os exercícios de respiração. Identificamos que os suportes tecnológicos com maior intenção de utilidade e facilidade de uso percebida são os livros, telefone e vídeo. Doentes com maior literacia e maior literacia tecnológica referiram uma maior utilidade no uso de tecnologias Web; os doentes com menor literacia e literacia tecnológica referem maior utilidade, intenção e facilidade no uso de telefones celulares para acesso à informação.

Os recursos de ensino poderão adotar diferentes tipos de suportes tecnológicos, desde que disponíveis em função da literacia e literacia tecnológica dos clientes e que respondam às necessidades dos mesmos.

Pensamos que a promoção de uma gestão eficaz do regime terapêutico em doentes com DPOC é um desafio para os enfermeiros. Os recursos de ensino podem ser facilitadores dos processos de aprendizagem, para a integração no autocuidado dos regimes de tratamento complexos.

A ESEP teve em funcionamento nos anos letivos 2009-2010 e 2010-2011 um curso de Pós-Graduação em Sistemas de Informação em Enfermagem. O programa de estudo foi desenvolvido durante um semestre, o que corresponde um total de 30 ECTS.

O programa de Mestrado foi desenvolvido em 3 semestres (90 ECTS), que incorpora os conteúdos desenvolvidos na Pós-graduação, integrando mais um total de 15 ECTS, que correspondem às unidades curriculares de Investigação e Metodologias de análise de dados, bem como a uma unidade curricular de Desenvolvimento de SIE. Os estudantes devem escolher entre um dos seguintes percursos a ser concluído no 3 º semestre:

a) dissertação;

b) trabalho do projeto;

c) estágio profissional, que inclui um relatório.

O ciclo de estudos conducente ao grau de mestre inclui:

  • Curso de Especialização em Sistemas de Informação em Enfermagem, que consiste num conjunto organizado de unidades curriculares, ao qual corresponde um total de 45 ECTS do ciclo de estudos (50% do total de créditos do curso), que determina a atribuição de um diploma de Especialização em Enfermagem na área específica do curso de mestrado;
  • A dissertação científica ou um trabalho de projeto, originais e especialmente desenvolvido para este fim, ou uma formação profissional que inclui um relatório, e ao qual corresponde um total de 45 ECTS.

Evolução: Mestrado em Sistemas de Informação em Enfermagem

O Curso de Mestrado em Sistemas de Informação em Enfermagem teve a acreditação prévia pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3es), tendo o seu início no ano letivo 2011-2012.

O Mestrado em Sistemas de Informação em Enfermagem tem objetivos consistentes com o projeto educativo, científico e cultural da ESEP, e também pretende estabelecer-se como um fator decisivo na sua implementação. Para a ESEP, o Curso de Mestrado não representa “apenas” um outro curso de mestrado, mas, acima de tudo, uma oportunidade para a transferência de tecnologia e valorização económica do conhecimento científico e tecnológico produzido na ESEP. Admite-se que o Curso de Mestrado contribuirá para a produção e divulgação do conhecimento em enfermagem, com ma integração tecnológica forte, e que pode emergir como um reforço muito positivo para o reconhecimento da UNIESEP. Para além do impacto do curso na área de negócios dos Sistemas de Informação em Saúde, a integração dos diplomados mais qualificados nas instituições de saúde, certamente, terá um efeito positivo sobre o seu desenvolvimento, particularmente através de modelos assistenciais inovadores.

Neste momento, os estudantes (14) encontram-se a finalizar as unidades curriculares teóricas, tendo já apresentado os respetivos projetos para admissão à dissertação. As áreas temática alvo da investigação centram-se essencialmente na análise e desenvolvimento de modelos de dados para sistemas de informação em Enfermagem que potenciem a utilização da CIPE® v2.0, nas questões da literacia em Saúde e literacia tecnológica de populações-alvo (pessoas com diabetes, mães de crianças até um mês de idade, pais de crianças até um ano de idade, pessoa s em Programa de Saúde Reprodutiva e Planeamento Familiar, prestadores de cuidados de dependentes que integram ECCI), Resumos mínimos de dados e Avaliação de SIE.

Diretor do Projeto

Alexandrina Cardoso

Mais informações