Estudo revela consumo excessivo de bebidas alcoólicas em jovens portugueses
O consumo de bebidas alcoólicas em jovens portugueses é uma problemática já amplamente estudada. Contudo, novos padrões de consumo revelam o crescente problema do consumo excessivo não rotineiro em idades cada vez mais precoces.
data

Estima-se que, em todo o mundo, o consumo de álcool afeta 2.3 biliões de pessoas acima dos 15 anos. Em Portugal, apesar da evidência demostrar um decréscimo no consumo de bebidas alcoólicas, é, ainda, preocupante o percentual de consumos de risco e dependência, na faixa etária compreendida entre os 15 e os 24 anos (11,8%).

Nas últimas décadas, tem-se verificado uma modificação considerável no padrão de consumo de bebidas alcoólicas. Assim, passou-se do consumo diário de bebidas alcoólicas para um consumo menos rotineiro, muitas vezes com a intenção de intoxicação aguda rápida (binge drinking), em idades cada vez mais precoces

O estudo “Consumo de bebidas alcoólicas e binge drinking nos jovens em formação”, publicado na Acta Paulista de Enfermagem por José Carlos Carvalho (docente ESEP e investigador CINTESIS), em coautoria com Olga Valentim* e Lídia Moutinho** pretendeu conhecer os padrões de consumo de bebidas alcoólicas e em particular a prática de “binge drinking” em jovens que frequentam a escolaridade obrigatória, em escolas no distrito de Lisboa, Portugal.

Este estudo foi realizado com base numa amostra de 174 jovens, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 13 e os 22 anos, de três escolas do distrito de Lisboa. Os instrumentos de recolha de dados utilizados foram o Questionário Sociodemográfico que incluiu também as questões “A que idade foi o primeiro consumo de bebidas alcoólicas?” e “Já alguma vez ingeriu bebidas alcoólicas?” e o The Alcohol Use Disorder Identification Test – C.

Os autores concluíram que a idade do primeiro consumo oscilou entre os 5 e os 19 anos, sendo a idade com que mais frequência se iniciou a experimentação foi aos 14 anos. A análise dos dados, no que se refere à ingestão de bebidas alcoólicas no último ano, mostra que cerca de 55% dos participantes ingeriu bebidas alcoólicas.

Os autores concluíram ainda que, o “binge drinking” foi experienciado por 23% dos participantes, sendo que 5,7% dos jovens adota este padrão de consumo pelo menos uma vez por mês. 

Este estudo demonstra haver padrões preocupantes de consumo excessivo de bebidas alcoólicas por parte de jovens em idade precoce,   confirmando a necessidade de  dinamizar ações de prevenção do consumo de álcool no ensino básico e a necessidade de aumentar a literacia dos jovens sobre o consumo de álcool.

* Escola Superior de Saúde Atlântica 

** Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa 

Mais
artigos

Musicoterapia
Projeto Sing for Well-Being

O Projeto Sing for Well-Being pretende desenvolver um conjunto de atividades que procuram disseminar o uso da música na saúde, em especial na Enfermagem, como recurso terapêutico e de desenvolvimento pessoal.
A Enfermeira Sandra Pinto da Costa, responsável por este projeto explica a importância que este projeto tem na comunidade escolar e da musicoterapia na promoção da saúde e de uma melhor qualidade de vida.

Ler mais »